Posts com Tag ‘Política’

Mais uma vez, e muito embora este não seja a hora de procurar culpados será que alguém pode dizer que não era esperado? Talvez não com esta dimensão mas todos os anos no periodo das chuvas as tragédias se repetem com maior ou menor intensidade, infelizmente desta vez o tamanho da destruíção é enorme.

Está chovendo mais como disse – levianamente – o prefeito de São Paulo? Não sei e neste momento sinceramente não importa, importava antes no momento de em que era possivel prevenir ou minimizar o acontecido. Importava quando se devia evitar construções e desmatamentos em terrenos inclinados, importava quando as prefeituras juntamente com a defesa civil deveriam ter colocado o bom senso acima de popularidade politiqueira e retirado muita gente de locais de risco.

Agora o que importa é ajudar as vítimas, recuperar o que foi destruído e conceder nossos sentimentos para aqueles que perderam algo que não pode ser recuperado ou reconstruído. Após isso poderemos parar, pensar e agir para que no ano que vem não tenhamos que lamentar novamente, como lamentamos ano passado e estamos lamentando agora.

Anúncios

Senado aprova aumento salarial para os cargos de presidente, vice, deputados e senadores através de decreto legislativo (não precisa de crivo da presidência). O novo valor mensal recebido pelos detentores de cargo chega a 26,7 mil Reais com um aumento de até 61 %…

Quem é o palhaço agora? ABESTADO!

Agora o Tiririca sabe o que faz um deputado.

 

Dilma venceu, principalmnte pela expressiva vitória conquistada nos estados nordestinos que acabou por superar sua derrota em colégios eleitorais maiores, o que deixa muito claro de onde provêem a grande maioria de seus votos, sem fazer qualquer tipo de juízo neste momento mas os resultados são claros. A se ressaltar a vitória da petista em Minas Gerais, antigo reduto tucano. A vencedora os parabéns e desejo de sucesso.

Em um eleição de baixissímo nivel em todos os aspectos, sem nenhuma proposta realmente diferente para os problemas estruturais e sociais do país, onde somente se propagou a manutenção da política de cartoes sociais e de abertura de estradas, um show publicitário onde se demonizou abertamente a atual forma de concessões para exploração petrolífera que não pára de gerar empregos tão comemorados pela situação. Uma campanha onde nenhum dos candidatos sequer ameaçou tocar na antiga promessa da reforma tributária, algo que realmente faria bem aos bolsos brasileiros. Uma campanha chula, de baixo nível ideológico e de teor quase bizzaro nos ataques pessoais entre os candidatos.

José Serra não é o grande derrotado destas eleições, não é possível nem ao menos izer que ele perdeu para sua rival sem carisma e brilho próprio. Serra foi derrotado pela figura de um presidente que não teve pudor em subir no palanque e fazer sua sucessora. Também não sai derrotado o PSDB em si, afinal é o partido que que a partir de 1º de janeiro próximo controlará o maior número de estados da federação e que conquistou enorme fatia do eleitorado nacional, óbviamente precisará nestes próximos 4 anos aprender a fazer uma campanha capaz de sensibilizar principalmente as camadas mais pobres do eleitorado se quiser novamente fazer um presidente.

O grande derrotado do pleito eleitoral foi sem dúvida nenhuma o ex- presidente Fernando Henrique Cardoso, que ao deixar o palácio do planalto optou por se retirar totalmente do palco político, uma opção pessoal e inquestionável mas quepermitiu que seus opsitores pudessem demonizar seus oitos anos de governo de forma irreversível na cabeça do eleitorado, mesmo que a atual situação mantenha na prática as mesmíssimas políticas econômicas e sociais, apenas com maior habilidade publicitária.

Não defender a própria obra e permitir que em cima dela se criem quaisquer verdades que se desejem foi uma escolha de FHC que ainda irá atormentar  por algum tempo seus correlegionários. Se afastar dos debates com os opositores permitiu que seu governo fosse equiparado a e até mesmo ser considerado inferior a governos como os de Collor e Sarney. Se retirar ainda que possa parecer uma atitude nobre é uma escolha que não acredito que Lulla também tomará. Lulla não permitirá que a oposição rotule tão facilmente seus 8 anos de governo e olha que etiqueta para ser fixada nas costas dos petistas é o que não falta.

Projeto de lei pretende definir novas regras sobre quem fica com a guarda dos pets em caso de separação do casal, sim guarda e não posse porque de acordo com essa nova lei os bichinhos deixam de ser analisados como bens onde quem tem a nota fiscal leva, na nova lei proposta pelo deputado federal Márcio França (PSB-SP) a propriedade é levada em conta mas não é o único fator a ser considerado, condiçõees de criação a até mesmo o afeto deverão pautar a decisão judicial em caso de discórdia entre quem fica com os mascotes.

O projeto pretende definir também coisas como horários e dias de visitas e obrigações financeiras como alimentação e gastos com veterinários, algo bem parecido como as decisões tomadas com relação a guarda de filhos.

Agora imagina: Após longa e estressante briga judicial, o cara perdeu mulher, carro, apartamento, parte do salário e ainda aparece um oficial de justiça dizendo que veio buscar o cachorro. Putz SE MATA!

Nessa caso a regra deveria ser clara, o cachorro fica com o homem e o gato com a mulher, simples e claro afinal ter gato está entre os doze sintomas do viado.

O cachorro não!!! Leva o gato.

Faz parte do processo político se posicionar, adotar um postura e uma opinião, e mesmo apoós muita reflexão se faria ou não isto neste espaço, optei por não esconder minhas preferências e melhor explicitar as principais causas de minha escolha no pleito do próximo domingo.

E não há como negar que minha escolha recaiu sobre o candidato José Serra do PSDB muito por causa da outra opção, em um eleição polarizada, onde apenas dois candidatos tem reais condições de chegar ao planalto. Respeito o crescimente de Marina Silva nas intenções de voto mas perdoem o trocadilho ainda a acho muito VERDE, se é que me entendem.

Não vejo motivos para mais quatro anos de continuísmo de um governo que  não apresenta os resultados que poderia, não vejo motivos para comemorar crescimentos da ordem de 5% enquanto todos os países do grupo “emergente” apresentam índices em torno de 7 a 10 % ao ano, aliás nesse ponto por diversas vezes nosso desenvolvimento foi menor que de muitas republiquetas ainda subdesenvolvidas.

Cansado de ver o assistencialismo descompromissado como única tentativa de inclusão social, dezenas de cartões e vales desperdiçando dinheiro público e onerando contribuintes a troco de nada. Assistência social é necessária, mas também se faz necessária a auto-determinação do cidadão, não basta ir ao banco todo dia 5 sacar um benefício pelo qual não se faz contrapartida.

Desmotivado após 8 anos em que não se tentou desonerar a carga tributária e pelo contrário se luta com todas as forças pela volta da CPMF, para financiar o agigantamento e um estado que já é enorme e caro de se manter.

Abismado com o uso político e imoral de cargos públicos e da máquina administrativa, desde instituíções e orgãos de basea até a ante sala da presidência. Se trocam as pessoas, um pouco de tempo, investigações demoradas e interrompidas por interesses partidários e se aguarda a nova polêmica em um ciclo que não mostra indícios de chegar a um final.

Incomodado com as tentativas de restringir as liberdades de imprensa e de opinião, através da criação de agências reguladoras que na verdade serão verdadeiros orgãos de censura a trabalho do governo, algo absurdo de se pensar nos dias de hoje mas que é levado muito a sério nos corredores do planalto.

Triste de ver meu país cada vez mais ligado a ditaduras totalitárias, a governos populistas e a regimes onde as restrições às liberdades individuais são cada vez maiores, nada me explica a abraço fraternal ao regime iraniano, o apoio aos desmandos chavistas, e o afastamento ideológico e principalmente comercial de economias muito mais viáveis e importantes.

Entre outras coisas eu escolho não apoiar o continuísmo, porque eu acho que meu país pode ser melhor visto, porque eu acredito que inclusão social não se faz somente com cartões de benefício, pelo fim do governo de “amigos” e porque eu acho que meu país pode mais.

Por isso em 3 de outubro eu votarei em José Serra.

Em breve retornaremos à programação normal.

Sim isso mesmo, o ditador aposentado de Cuba, Fidel Castro, declarou em entrevista para o americano , que o modelo econônomico adotado pelo seu governo na ilha cubana não seria mais competitivo e incapaz de continuar trazendo progresso para a população. Em outras palavras seria um sinal verde para que seu irmão e sucessor no comando da ilhota – adorada por 10 entre 10 esquerdistas que nunca pisaram por lá – possa implantar medidas no sentido de abrir a economia do país.

“O modelo cubano não funciona mais nem mesmo para nós”.

Um estado gigantesco que controla toda o setor econônico além de tributariamente oneroso, eleva exponencialmente o desvio de verbas por corrupção, um dos grandes problemas cubanos, como pode ver aqui e aqui.

Enquanto um verdadeiro revolucionário como Fidel se percebecertas verdades, por aqui na américa do sul estamos caminhando no sentido contrário, com governos totálitários, que exergam na máquina estatal o único caminho para desenvolvimento econômico.

Estou kibando este vídeo que vi originalmente no próprio KibeLoco, onde o presidente Lula e o governador Sérgio Cabral, discutem, ironizam e menosprezam o garoto Leandro, em visita oficial que segundo os divulgadores do vídeo contava também com a presença da então ministra Dilma Rousseff.

Não sou capaz de afirmar a veracidade deste vídeo, se o som foi editado é coisa de profissional, mas se for verídico é um fato preocupante sobre a relação entre políticos e população, principalmente por envolver o chefe máximo do executivo federal e o governador de um dos mais importantes estados do país. Soa vergonhosa a forma como ambos se dirgem a alguém que não está lá para bater palmas e acenar mas sim questionar sobre seus próprios direitos.

Mape não vota em Lula nem em PT, e não pretende fazer campanha neste espaço, mas espera reealmente que este vídeo seja fake e se não for espero uma retratação pública, acho que todos deveriamos esperar pois aquele menino representa cada um de nós.