Ontem fui assistir ao show da menina na festa de emancipação da cidade de Itaperuna – RJ, e a impressão continua boa, apesar do som não estar quela maravilha, e a moça demonstrar estar ainda um “pouco verde de palco”, ela encanta em todos os momentos, com uma voz firme e uma brejeirice abasolutamente amavel.
.
.
.

A mineirinha de Sete Lagoas, dona de uma beleza cativante e uma voz apaixonante promete estourar nas paradas e nas vendas neste ano que se inicia, e para falar a verdade não seria necessário nem a super-exposição midiática das últimas semanas muito menos o totalmente desnecessário suposto affair com Roberto Carlos (ah os milagres da medicina hein Rei?). Mape está definitivamente apaixonado por estes cachos. C … Read More

via rabiscunhando

A Garota da Capa Vermelha

Publicado: 05/05/2011 em Arte, Cinema, Filmes
Tags:,

Bons tempos estes onde é possível desconstruir e reconstruir nossas fábulas de infância, rever antigas histórias sob um olhar diferente com menor ingenuidade.

A Garota da Capa Vermelha (Red Ridding Hood – EUA 2011) Segue um premissa de diversos filmes recentes que embsados em contos clássicos recontam sobre um prisma diferente histórias que nos acompanham desde a infância. Com sangue, mortes e insinuações sexuais, tudo muito (e decepcionantemente) contido para não afetar a classificção do filme, a história de uma Chapéuzinho Vermelho quase adulta acaba se tornando um filme quase adulto, ou seja adolescente.

Fui ao cinema sem ler as críticas e com um espírito leve, talvez por isso não tenha me importado tanto com os cenários de teatro escolar, as interpretações rasas – incluindo aí Gary Oldman o nome de maior peso da película -, tampouco me importei com as falas mal escritas, os figurinos estranhos do tipo andar de camisa aberta no meio da neve, a repetição bizarra de closes ups na porta da igreja que no final não teve nenhuma importancia na história, ah também não me importei muito com a trilha sonora absolutamente esquecível e nem com a tentativa frustrada de triangulo amoroso entre os insossos protagonistas.

Ou seja o filme é fraco, para muitos é ruim mesmo, dotado de uma ótima premissa mas pessimamente realizado, como fazem questão de deixar bem claro todas as críticas que li após ver o filme, mas que ao mesmo tem me incomodaram porque não saí da sala decepcionado por pagar 14 dinheiros para assisti-lo…

Porque para quem quer se divertir com cinema a trama acerta quando literalmente força a famosa passagem de “Para que esses olhos tão grandes? …”, acerta quando mostra a barriga do lobo sendo aberta pelo caçador, acerta quando mostra chapeuzinho vermelho entrando na floresta com uma cestinha, acerta quando insunua o lobo disfarçado de vovózinha, enfim acerta quando consegue remeter a todos a famosa história que fez parte de nossas infâncias.

Libertadores, desde sempre acabando com os sonhos de grandeza das burgusias decadentes. CHUUUPA!!!

Ando excitado por estes dias, não no sentido sexual da frase (ao menos não o tempo todo), mas a proximidade de um evento esperado tem a cada momento gerado mais e mais adrenalina em minha circulação sanguínea.

O evento em sim será considerado algo simples pela maioria, boçal para alguns mas tentarei explicar o inexplicável. Estou ansioso para neste sábado assistir após dois anos a um show do BÍQUINI CAVADÃO na 47ª Exposição Agropecuária de Miracema – RJ.

Poucos diriam que o Bíquini é a sua banda favorita (acho que nem eu, ACHO), e poucos lembrariam de uma música deles em primeiro lugar de sua playlist, mas o fato é que o Bíquini Cavadão nunca me decpcionou, desde os tempos de muleque, na quase dezena de shows dos caras que eu tive o prazer de ir não consigo apontar um que não fisse memorável, seja pela zoeira, pela catarse, pelas músicas que dizem muito para o espírito jovem que emana e contagia do show, pelos amores vividos, pelos encontros e desencontros, em resumo por tudo.

Soa vago? Claro que soa, sentimentos são vagos, queria o que? Mas dentro de toda essa confusão sinto um expectativa de um reencontro, com quem? Comigo mesmo oras, encontrar com aquele garoto que foi em um show mal conheceno a história da banda e voltou de lá fã, reencontrar com aquele cara que junto com os amigos pulou abraçado gritando hinos juvenis, bater aquele papo com o jovem apaixonado que curtiu as baladas juntinho daquela moça bonita e até mesmo conversar o “adulto” que sempre que assite a esse show consegue viver novas aventuras e se lembrar de quem é, ou era, ou será… sei lá e o divertido é exatamente isso: Não saber.

Então hoje estou aqui contando as horas para pegar a estrada, botar o tênis, entrar naquele parque de exposição e me reencontrar, não que esteja perdido, longe disso, mas todos temo momentos em somos ainda mais nós mesmos, e nesse sábado terei um desses. Uhull!

Até semana que vem…

Foi u cão quem butô pra nor bebê

Eu bebo água que passarinho não bebe e tubarão não nada.

Se parar na blitz é falar que o cavalo é que estva dirigindo.

Billie Jean

Michael Jackson não morreu só foi tomar umas biritas.

Beber cair e levantar

Olha o que uma bicicleta mal intencionada pode fazer com o sujeito (cRássico).

E o Mega-hit We no Speak Americano.

E esse é o FLAMENGO, mais uma vez contrariando toda a lógica, derrubando qualquer prognóstico e inclusive contrariando a lógica financeira que implorava pelo Mais Querido em uma final, com dois jogos de estádio lotado para acalantar os combalidos cofres da federação carioca de futebol e pingar alguns caraminguás nos puídos bolsos do convidado de honra em uma virtual finalissíma de campeonato.

Contra o time de balé das Laranjeiras foi apenas mais uma demosntração clara de que não é possível escapar do destino e o destino Rubro-Negro é vencer incessantemente seus rivais fregueses distritais, mesmo em uma semana em que a mídia sempre ávida por um burcurinho que venda mais jornais procurou deseperadamente um factóide que colocasse o FLAMENGO sem a condição de favorito em um jogo decisivo, ora pois qualquer pessoa que tenha nascido nos últimos dois séculos sabe muito bem que futebol é um esporte onde na decisão sempre dá FLAMENGO.

Pobres e decadentes Flores que em seus devaneios de uma grandeza que ficou no passado, acreditaram que somente com futebol, arbitragem ruim e uma camisa esquisitona poderiam fazer frente ao destino. Se esquecem que em suas parcas vitórias sempre tiveram que contar com algo estranho ao normal, o famoso Sobrenatural de Almeida por vezes dá as caras nos gramados para conferir alguma emoção ao esporte bretão, quando ele não surge o resultado “normalmente é o normal”, como foi ontem.

Agora não tem mais jeito, contra o mais fiel dos fregueses no próximo domingo o Flamengo tem marcado mais um encontro com seu destino vitorioso,  e no fundo as hostes cruz-maltinas já sabem que a chance de comemorarem uma conquista de turno se esvaiu ontem quando o derradeiro penalti foi cobrado selando o destino do Campeonato Carioca de 2011.

Sempre FLAMENGO.

Cachorro feliz

Publicado: 15/04/2011 em Copiei e colei, Imagens

Esse vai enchugar todas…

Ótimo findi for all.