Arquivo da categoria ‘Mocidade Independente’

Alô meu povão de Padre Miguel! Está chegando a hora!

Ao que tudo indica nosso carnavalesco foi muito feliz na confecção das fantasias, um alivio para a nação Verde e Branca que viu pontos precisosos serem perdidos em quesitos técnicos nos últimos anos, vamos torcer para que harmonia e evolução também estejam em grande sintinia na noite do desfile.

Nossa Estrela Guia vem com um dos refrões mais fortes do ano e um samba que não difere muito do que a maioria das escolas se propôs, letras bem vagas, com muito sentimento e pouca linearidade. Agora é aguardar que a força da Bateria nota DEZ levante a Marquês de Sapucaí.

A Verde e Branco de Padre Miguel já apresentou os 35 sambas que irão disputar a chance de embalar os componentes da agremiação no próximo carnaval. Os sambas começam a ser apresentados na quadra da escola no próximo sábado di 21, por ordem de inscrição com cada música sendo passada duas vezes sendo uma com acompanhamento da bateria.

Olha as letras dos sambas aqui, na página da escola.

Dá para ouvir os sambas aqui, no Samba de Raiz.

Não dá para formar muita opinião ao ouvir sem a pressão da bateria e infelizmente devo admitir que ouvi com uma certa pressa indigna de um seguidor da Estrela Guia. De qualquer forma achei muito interessante que dentro de vários sambas existem claras homenagens à sambas do passado da própria Mocidade e de outras agremiações, em tempos onde os sambas atauis não geram tanta emoção quanto sambas do passado este tipo de associação pde fazer a diferença entre levantar ou não a arquibancada.

E minha amada Mocidade Independente de Padre Miguel divulgou o “logo” e sinopse do Enredo para o carnaval 2011:

Com a última glaciação, o gelo e a neve cederam lentamente.
Uma estrela incandescente brilhou no horizonte primitivo e espalhando luz e calor fez a vida explodir em cores e fartura. O homem, enfim, se libertou das cavernas e festejou.

As forças da natureza foram transformadas em deuses e as respostas para o desconhecido eram encontradas pelos feiticeiros primitivos nos raios e trovões, nas águas, nas matas e nos mistérios da terra.

De caçadores coletores até se tornarem semeadores, nossos ancestrais atravessaram um longo caminho, muitas vezes marcado por pedras e espinhos.

À medida que a agricultura e a criação se estabeleceram as plantas das quais dependiam homens e animais para se alimentar tornam-se crucialmente importantes e os ciclos Da natureza passaram a ser fator dominante e foco de atenção mágica e religiosa.

O plantio e a colheita se transformaram nos grandes acontecimentos do ano e eram celebrados com festivais e ritos que pretendiam assegurar um bom resultado.

Foi através desta reverência à natureza que o homem começou a entrar no reino da utopia através das comemorações: no momento da festa se desligava das coisas ruins como o inverno e as enchentes, que concretamente, tinham ido embora e saudava o que lhe parecia um bem, como a chegada da primavera e o nascer do sol, com danças e cânticos, em torno das fogueiras, para espantar os espíritos do mal e as forças negativas que prejudicavam o plantio.

Em uma deliciosa viagem através destas festas, rituais e celebrações em louvor aos deuses da agricultura e que depois foram abraçadas e remodeladas pelo catolicismo, encontramos a origem, a raiz da frondosa árvore que é o carnaval do Rio de Janeiro.

E é no templo sagrado dos desfiles das escolas de samba que vamos relembrar em ritmo de comemoração as nossas origens agrárias e agrícolas, afinal festejar é o que fazemos melhor.

Louvadas sejam os divinos semeadores do carnaval!

Viva a folia!


Tem maiores explicações e o esquema de alas e alegorias no site oficial da Estrela Guia.

O Enredo se propoem a mostrar a evolução humana a partir da última era glacial (espero lindas alas e alegorias nesta parte) passando pelo desenvolvimento da agricultura e sua relação com divindades e crenças que favoreciam o cultivo, em uma longa viagem no tempo que mostrará as festas e celebrações do homem à natureza.

Minha opinião: A principio um enredo amplo e talvez um pouco vago, mas que permite ao carnavalesco um desfile muito rico, vamos aguardar o desenvolvimento da escola durante o ano.

Poucos dias para o desfile, o carnaval na verdade já começou, tudo já está pronto, detalhes de últma hora sempre haverão e o burburinho é normal para aumentar a expectativa. Pensar em título é complicado para uma escola que abre o desfile de segunda feira, mesmo com o samba mais empolgante do grupo especial. Pedimos sim um desfile de campeã, correto no aspectos técnicos – nossa pedra nos sapatos dos últimos anos – com nossa bateria voltando a ser nota 10, garra e emoção; isso é que queremos ver da estrela guia na avenida, o Brilho Verde e Branco que contagia.

Alô meu povão de Padre Miguel: Vamos Lá, A hora é essa!!!

Para quem ainda não sabe a letra do samba.

Eu voltei ao Éden,
Paraíso de verdade
Serpente, chega pra lá!
Hoje eu quero é sambar com a Mocidade
O mal que você me causou
Pra que me infernizar?
Chega de guerra e miséria
Sem trégua, nem légua
É a Idade Média a se transformar

Entre lendas e mistérios
mestre joão me ensinou a navegar
O bandeirante cobiçou
E o índio revelou o Eldorado de além-mar

Tudo o que eu puder sonhar
Vou realizar agora e sempre
E se tentar me taxar
Mando depositar em outro continente
Do Éden ao paraíso da loucura,
Ninguém sabe quanto é o que se procura
Hoje o povo quer felicidade
No paraíso da igualdade e liberdade
Estrela, faz o meu sonho mais real
Sacode a Sapucaí
É carnaval!

Meu coração vai disparar, sair pela boca
Não dá pra segurar, paixão muito louca
Luz independente, me leva pro céu
Sou Mocidade, sou Padre Miguel

E domingo tem matéria especial no Esporte Espetacular sobre a Estrela Guia.

Temos um samba forte, fácil de cantar e marcante, seguramente um dos melhores do ano, os ensaios provam isso, a se lamentar apenas o (sejamos sinceros) pífio desfile do ano passado que nos colocou na condição de abrir o desfile de segunda feira neste carnaval, Seu Cid Carvalho por favor não coloque minha Mocidade mal vestida e mal acabada na avenida, a Estrela Guia não merece isso. Bereco, bota a Bateria para brincar, faz orgulhoso Mestre André, faz a Sapucaí segurar a respiração a cada paradinha, somente para depois explodir de emoção quando os surdos voltarem a rufar.

São alguns pedidos desse fã distante.

Não existe mais quente.

Sonhar não custa nada
O meu sonho é tão real
Mergulhei nessa magia
Era tudo que eu queria
Para ese carnaval
Deixe a sua mente vagar
Não custa nada sonhar
Viajar nos braços do infinito
Onde tudo é mais bonito
Nesse mundo de ilusão
Transformar o sonho em realidade
E sonhar com a mocidade
E sonhar com o pé no chão

Estrela de luz
Que me conduz
Estrela que me faz sonhar

Amor, sonhe com os anjos (não se paga)
Não se paga pra sonhar
Eu sou a noite mais bela
Que encanta o teu sonho
Te alucina por te amar (amar, amar)
Vem nas estrelas do Céu
Vem na lua de mel
Vem me querer

Delírio sensual
Arco-íris de prazer
Amor, eu vou te anoitecer

Eu vejo a lua no céu
A mocidade a sorrir
De verde-e-branco na sapucaí

Foi com esse enredo que em 1992 a Verde e Branco de Padre Miguel entrou na avenida cercada de expectativa após anos de execelente deslifes e defendendo o título do carnaval anterior. Com nosso maior carnavalesco Renato Lage e Paulinho Mocidade em seu auge, a escola foi novamente brilhante levantando mais uma vez a Marquês de Sapucaí, ficando com a segunda colocação naquele ano.

Um desfile sobre sonho, ilusão, imaginação. Me deslumbrava menino em frente a TV com o mundo mágico apresentado pela Estrela Guia, astronautas, seres marinhos, brinquedos, robôs, um mundo de faz de conta onde tudo era possível, pois naquela noite sonhar com a Mocidade tornava tudo possível. Uma mensagem que as escolas teimam em não mais passar, a mensagem da alegria infantil, inocente e desprovida de amarras que podam as asas de nossos sonhos nos fazendo cair na cinza realidade.

Vamos lá a hora é eeessaaa!!!

Thatiana Pagung, nossa rainha.

A Estrela Guia de Padre Miguel vai exibir na avenida o Enredo “DO PARAÍSO DE DEUS AO PARAÍSO DA LOUCURA, CADA UM SABE O QUE PROCURA”, demonstrando a eterna procura do homem pelo paraíso terrestre, mostrando a história desde o momento em que Adão e Eva são expulsos do Éden, passando pela busca medieval das cruzadas, a descoberta do novo mundo na épocas das grandes navegações, revelando no Brasil recém descoberto uma terra de maravilhosas belezas naturais.

Um enredo que permite milhares de possibilidades ao carnavalesco, é praticamente a história do mundo sendo contada através de uma busca que sempre esteve no íntimo do ser humano, é muito possivel fazer um desfile riquissímo em imagens e beleza. Ao mesmo tempo um tema de certa forma “vago” pode custar pontos preciosos nas mãos de jurados mais fundamentalistas que ano após ano fustigam as escolas com notas estapafúrdias somente baseadas em gostos pessoais.

Mas a escola acertou em abrir mão de um enredo “patrocinado”, como no ano passado quando chegou ser cogitado um enredo sobre o Chile, nada contra o simpático país andino, mas para carnaval não dá. O Atual enredo juntamente com o samba me lembram o belo carnaval de 1998, que empolgou a avenida: BRILHA NO CÉU A ESTRELA QUE ME FAZ SONHAR.