Arquivo da categoria ‘Cinema’

A Garota da Capa Vermelha

Publicado: 05/05/2011 em Arte, Cinema, Filmes
Tags:,

Bons tempos estes onde é possível desconstruir e reconstruir nossas fábulas de infância, rever antigas histórias sob um olhar diferente com menor ingenuidade.

A Garota da Capa Vermelha (Red Ridding Hood – EUA 2011) Segue um premissa de diversos filmes recentes que embsados em contos clássicos recontam sobre um prisma diferente histórias que nos acompanham desde a infância. Com sangue, mortes e insinuações sexuais, tudo muito (e decepcionantemente) contido para não afetar a classificção do filme, a história de uma Chapéuzinho Vermelho quase adulta acaba se tornando um filme quase adulto, ou seja adolescente.

Fui ao cinema sem ler as críticas e com um espírito leve, talvez por isso não tenha me importado tanto com os cenários de teatro escolar, as interpretações rasas – incluindo aí Gary Oldman o nome de maior peso da película -, tampouco me importei com as falas mal escritas, os figurinos estranhos do tipo andar de camisa aberta no meio da neve, a repetição bizarra de closes ups na porta da igreja que no final não teve nenhuma importancia na história, ah também não me importei muito com a trilha sonora absolutamente esquecível e nem com a tentativa frustrada de triangulo amoroso entre os insossos protagonistas.

Ou seja o filme é fraco, para muitos é ruim mesmo, dotado de uma ótima premissa mas pessimamente realizado, como fazem questão de deixar bem claro todas as críticas que li após ver o filme, mas que ao mesmo tem me incomodaram porque não saí da sala decepcionado por pagar 14 dinheiros para assisti-lo…

Porque para quem quer se divertir com cinema a trama acerta quando literalmente força a famosa passagem de “Para que esses olhos tão grandes? …”, acerta quando mostra a barriga do lobo sendo aberta pelo caçador, acerta quando mostra chapeuzinho vermelho entrando na floresta com uma cestinha, acerta quando insunua o lobo disfarçado de vovózinha, enfim acerta quando consegue remeter a todos a famosa história que fez parte de nossas infâncias.

É bom quando temos a oportunidade de ver algo que forma nem que seja por alguns momentos nosso cárater ou nossa personalidade ou nossa essência ou sei lá de que nome podemos chamar, nos importamos muito com nomes e palavras não é?  Quando existem tantas coisas que são mais importantes e passam despercebidas ou desapercebidas não me lembro qual o correto agora, mas aqui estou eu me preocupando novamente com palavras.

E porque ElizabethTown? A pelicula de 2005 que provavelmente está fadada a se tornar um clássico da sessão da tarde mas que sempre consegue me fazer parar em frente à Tv e destilar pensamentos sobre o tempo, sobre as pessoas, sobre a vida, sobre quase tudo.

Orlando “Legolas” Bloom vive Drew, jovem designer que vê sua promissora carreira ser total e publicamente destruída por um erro de projeto no calçado em que trabalhou por oito anos. A depressão causada pelo fracasso é grande mas logo em seguida Drew tem que lidar com o falecimento de seu pai e o contraponto entre estas duas situações gera a história do filme.

A viagem para os ritos funébres fazem com drem tenha contato com um passado e com relações humanas quase deixadas de lado não só pelo protagnista mas por quase todos  em um mundo onde o trabalho nos consome e o restante do tempo é utilizado para a ostentação vazia daquilo que conseguimos com o labor diário.

E porque sempre existe algo ou alguem especial, que nos possibilita ver adiante daquilo que estamos costumados, que altera nossa percepção sobre o cotidianao, Nesse caso esse alguém é Claire vivida muito bem pela linda Kirsten Dunst, a loirinha entra para balancar a vida de Drew e mostrar exatamente aquilo que falei lá no ínicio do post, que damos muita atenção para as coisas que definitivamente não merecem, tropeços e contratempos ganham o tamanho de montros assustudores enquanto a vida desfila seus sabores de forma incólume bem diante de nossos olhos.

Pois nem sempre tudo é perfeito, por isso celebramos as vitorias e as alegrias, e aprendemos a cada dia que os tropeços nada mais saõ que oportunidades para se levantar novamente.

Ahh e vale muito a pena ouvir a trilha sonora do filme, um espetáculo a parte:

Sim eu sei que o filme é velho, mas sei também que a hora certa de dizer as coisas é no exato momento em que elas vem a cabeça.

Bela: Jordana Brewster

Publicado: 19/01/2011 em Bela, Cinema, Filmes
Tags:,

http://www.youtube.com/watch?v=nUScwaS4y4wA gata nasceu no Panamá, viveu no Rio de Janeiro e faz muito sucesso na série Velozes e Furiosos, que tem a quinta parte da triologia com estreia marcada para 2011 e muitas cenas rodadas na cidade do Rio de Janeiro.

Tem trailler da bagaça com a Jordana aí em abaixo.

Cara os anos 80 foram demais, rock nacional sem calças coloridas, Luma de Oliveira e Luciana Vendramini no lugar de mulheres Jaca, Melancia e Melão, e principalmente muitos filmes deliciosamente Trash para encher as idéias vagas de adolescentes e criançascom todo o tipo de viagem cinemalesca em uma época onde não se faziam criticas a contrárias a roteiros delirantes.

E roteiro delirante é exatemente o que define O Último Dragão (The Last Dragon, 1985), afinal uma trama que misture Hip-hop e Kung-fú  só pode ser considerada um delírio, daqueles que só os anos 80 são capazes de permitir e realizar.

Le Roy (Taimak) é um estudante que busca alcançar o último nível de maestria nas artes marcias, o estado conhecido como “The Glow (algo como o brilho, se ele soubesse que hoje em dia qualquer um consegue isso com o Photoshop)”, e neste busca ele vaga pelo Harlem(???) a procura do “Mestre”.

Quem rouba a cena é o Vilão absurdamente figura e caricato Sho´Nuff (o Shogum do Harley), vivido por Julius Carry, Definitivaente um dos maiores vilões do cinema rivalizando com Dart Vader e outros da linhagem “mau até o osso”. Sho´Nuff é um vilão tão importante que merece até um post em separado, acho que vou criar uma série sobre os grandes vilões.

Efeitos especiais de altissímo nivel.

Quem é o mestre???

Como todo bom filme que mistura Hip-Hop e Kung-Fú não poderiam faltar grandes cenas de lutas embaladas pelo melhor da Blackeira musical norte americana.

Bruce Lee ajudando a pegar gatinhas desde… ah sei lá desde quando.

Mape é o mestre.

PS: Dizem as más linguas que está sendo produzido um remake com Samuel L “modafocka” Jackson no papel de Sho´Nuff e Rihanna no papel da gostosinha.

 

Bela: Rachel Weisz

Publicado: 27/12/2010 em Bela, Cinema
Tags:

A inglesa, estrela dos dois primeiros filmes da série “A Múmia” (que sabiamente pulou fora do terceiro), já faturou um Oscar por sua atuação em o Jardineiro Fiel (2006)

E  com previsão para Maio de 2011 Pirates of the Caribbean: On Stranger Tides a quarta parte da triologia sobre piratas mais lucrativa de todos os tempos, trazendo novamente Jonnhy Deep no papel do Capitão Jack Sparrow e Geofrey Rush no pele de Barboza (o melhor personagem da série na minha opinião), além de Penélope Cruz para abrilhantar a trama.

A história desta vez gira em torno da busca pela fonte da juventude, olha o trailler da bagaça aí:

Vamos esperar que o ânimo da série não tenha terminado, trandformando este título em apenas um caça níquel cinematográfico, e vamos esperar que a Disney não tente enfiar uma maldita pós-produçaõ em 3-d para avacalhar tudo.

Todos indo ver a Penelope Cruz

Esse eu quero!

Nesta página você, criança crescida, nerd saudosista, geek, que acredita ser um mestre Jedi ou simplesmente um maluco pelas triologias de George Lucas encontra um guia completo e detalhadamente ilustrado de como produzir seu próprio sabre de luz idêntico aos utilizados pelos Jedi´s na saga Guerra nas Estrelas.

E então está esperando o que? Mãos à obra meu caro Padawan.

slothfurnace

– Caramba

– MELDELS

– Nuss

Essas são as expressões mais divulgaveis que se multiplicam durante a exibição do BlockBuster assinado e protagonizado por Sylvester Stallone, Mercenários The Expendables – O ambicioso projeto do ex-Rambo em reunir os maiores pica-grossas do cinema de ação de ontem e de hoje e fazê-los quebrar tudo nas telonas consegue atingir com méritos seu objetivo, esqueça enredo, drama, romances arrebatadores e se atenha ao básico, explosões, lutas, armas das mais variadas e sangue espirrando, cinemão pipoca em sua mais pura essência oitentista.

No elenco astros da porrada em profusão Jason Statham, Jet-Li, Dolph Lundgren, “Stone Cold” Steve Austin, Terry Crews, Mickey Rourke, Bruce Willys, Arnold Schwarzenegger, quem não está lá não foi homem o suficiente pra encarar (certo Van Damme?) e ainda tem a delicinha brazuca Gisele Itiê para compensar o excesso de músculos na tela.

A história é a mesma de sempre, um paíseco que poderia ser oriental mas dessa vez é latino (as pessoas falam espanhol) comandado por um ditador, nehum governo vai se meter oficialmente e sobra pro grupo de Stallas ir lá e mandar a bagaça pelos ares, simples e direto.

Mas mandar a bagaça pelos ares é uma arte e essa galera faz isso da melhor forma possível, e é esse o mérito do filme: fazer muito bem o que se propoem, os brucutus espancam, explodem, atiram, decepam, decapitam com maestria e ainda soltam uma piadinha entre uma morte e outra, tudo o que se espera deste tipo de filme.

Poderia dizer que algumas cenas de luta ficaram confusas, que os personagens poderiam ter mais “profundidade (ui)”, que não teve romance, mas quer saber tudo isso seria frescura e Mercenários não é filme para quem quer ver frescura.

Gatinhas de mini-saia, armadas até os dentes, lutando contra dragões e do mesmo diretor de 300 (This is Sparta!!!), meu esse filme vai deixar cuecas nerds em polvorosa hehehe, estreia em 2011.

O elenco tem potencial:

Vanessa Hudgens:

Jenna Malone:

Jamie Chung:

E a protagonista da bagaça é Emily Browning, que eu jurei que ia ficar mais bonitinha após vê-la no interessante Desventuras em Série. Mas ainda dá pra ir (#vaisonhando).

E alguns cartazes que já pipocaram por aí, tem ou não tem potencial?

E na atual incapacidade criativa dos produtores de cinema a saída é remixar, resmasterizar, reaproveitar, reciclar e requentar velhos sucessos para tentar atrair o público para as salas de cinema.

O próximo da lista é FootLoose (Ritmo Louco na sessão da tarde), sucesso dos anos 80 (época boa) com Kevin Bacon no papel principal de um garto da cidade que chega no interior com seu passos de dança modernos – tipo um baiano que chega em Curitiba com o Rebolation – . A trama é entremeada por diversos hits dançantes que afinal de contas são o garnde atrativo do filme, que aliás eu até gosto.

O problema de fazer um remake é que os tempos são outros, menos ingênuos para a história e o risco de ficar com uma cara de High Scholl Musical são enormes.

Prefiro lembrar do clássico, embalado pela música de Kenny Loggins: