A Garota da Capa Vermelha

Publicado: 05/05/2011 em Arte, Cinema, Filmes
Tags:,

Bons tempos estes onde é possível desconstruir e reconstruir nossas fábulas de infância, rever antigas histórias sob um olhar diferente com menor ingenuidade.

A Garota da Capa Vermelha (Red Ridding Hood – EUA 2011) Segue um premissa de diversos filmes recentes que embsados em contos clássicos recontam sobre um prisma diferente histórias que nos acompanham desde a infância. Com sangue, mortes e insinuações sexuais, tudo muito (e decepcionantemente) contido para não afetar a classificção do filme, a história de uma Chapéuzinho Vermelho quase adulta acaba se tornando um filme quase adulto, ou seja adolescente.

Fui ao cinema sem ler as críticas e com um espírito leve, talvez por isso não tenha me importado tanto com os cenários de teatro escolar, as interpretações rasas – incluindo aí Gary Oldman o nome de maior peso da película -, tampouco me importei com as falas mal escritas, os figurinos estranhos do tipo andar de camisa aberta no meio da neve, a repetição bizarra de closes ups na porta da igreja que no final não teve nenhuma importancia na história, ah também não me importei muito com a trilha sonora absolutamente esquecível e nem com a tentativa frustrada de triangulo amoroso entre os insossos protagonistas.

Ou seja o filme é fraco, para muitos é ruim mesmo, dotado de uma ótima premissa mas pessimamente realizado, como fazem questão de deixar bem claro todas as críticas que li após ver o filme, mas que ao mesmo tem me incomodaram porque não saí da sala decepcionado por pagar 14 dinheiros para assisti-lo…

Porque para quem quer se divertir com cinema a trama acerta quando literalmente força a famosa passagem de “Para que esses olhos tão grandes? …”, acerta quando mostra a barriga do lobo sendo aberta pelo caçador, acerta quando mostra chapeuzinho vermelho entrando na floresta com uma cestinha, acerta quando insunua o lobo disfarçado de vovózinha, enfim acerta quando consegue remeter a todos a famosa história que fez parte de nossas infâncias.

Anúncios

Os comentários estão desativados.