A ilha

Publicado: 12/08/2009 em Conto
Tags:,

O que mais me incomoda nesta nova paragem é o ambiente sujo e empoeirado, com ruas mal cuidadas e fachadas que um dia talvez foram elegantes, mas hoje são somente paredes enegrecidas e descascadas pela ação do tempo e inanição dos interessados.

Em nada se parece com a grande ilha em que nasci, sim nasci em uma ilha, na verdade um importante entreposto comercial, com seu enorme porto que atrai gente de todo tipo e procedência, jovens marinheiros ávidos por conhecer o mundo e as mulheres fáceis que fazem a vida ao redor dos portos, homens absurdamente ricos cuidando de suas embarcações e cargas, belas mulheres ostentando vestidos e jóias de valor pra mim impensável.

Aquela ilha sim era de uma natureza agradável, o vento constante não permitia que o calor dos trópicos afligisse seus moradores, e não havia frio cortante mais que uns poucos dias no ano o que tornava pesados casacos apenas itens para exibição de uma moda inverno que na verdade não se fazia tão necessária.

O mar trazia tempestades, mas o vento também se encarregava de levá-las rapidamente, por não mais que três vezes na vida vi por lá caírem pedras de gelo do céu, fenômeno tão raro que merecia enorme destaque, fatos lembrados com detalhes pelos mais velhos, estes que já sem ter do que se ocupar se ocupam de manter vivas as histórias dos lugares e pessoas que conheceram.

Sim era uma grande cidade, mas para seus bons conhecedores ela guardava redutos da cordialidade facilmente encontrada em vilas menores. Eram vendas e bares onde no final do dia para a maioria e durante o dia inteiro para alguns existia o agradável relaxamento fornecido pela bebida e pelas conversas maliciosas que tais estabelecimentos nos permitem.

Anúncios

Os comentários estão desativados.